Colaboração tia Nenê, discorrendo sobre “Benzica e Luiz Melges”

Um resumo do passado distante sobre partes alegres e tristes da vida da minha saudosa e querida irmã.

Minha inesquecível irmã Benzica (Maria da Conceição Mendes Melges) conheceu seu marido Luiz Melges (filho de Adão Melges e Zepherina Hoffmann – seu apelido era Lulu), em Dois Córregos.

Morávamos na fazenda Floresta e quando conheceu Lulu, um rapaz educado, bonito e bem apessoado, começaram namorar e se apaixonaram. Não demorou muito para falar com papai e pedi-la em casamento.

Benzica era linda, cabelos e olhos castanhos, tez clara, corpo esguio de adolescente, o sorriso muito bonito com dentes perfeitos e brancos. Era muito meiga e prestimosa.

De manhã acordava alegre, cantando e assobiando, abrindo as janelas para entrar o Sol e ar. Uma das músicas que cantava era “Vira e Fado Liró”, que aprendeu quando esteve em Portugal e cantava também outras da época.

Logo foi marcado o casamento e começaram as aprontações. Papai não gostava de noivado longo.

O casamento foi na fazenda, mamãe fez um altar muito lindo no piano onde foi feito o religioso e em seguida o civil.

Na véspera do casamento papai e mamãe deram um jantar para os padrinhos, parentes e amigos que compareceram. E no dia do casamento, que foi de manhã, após a cerimônia, teve um almoço para os convidados.

Como era costume naquele tempo, os noivos ficaram uns dias hospedados na fazenda com a família. Depois de alguns dias foram morar em Dois Córregos e Lulu levou para morar com eles a mãe (Zepherina) e uma irmã (Ana).

Benzica morou com a sogra e cunhada todo o tempo que esteve casada. Ela tinha muita paciência com elas. E os anos foram passando e os filhinhos nascendo e ela mesma fazia o enxovalzinho, com rendinhas e bordados, tudo com muito carinho.

Alguns anos depois mudaram para Getulina e papai e eu fomos visitá-los. Levei minha filha Nellie que estava com três meses. Papai voltou e eu fiquei com ela uns vinte dias, passeamos bastante, conversávamos até altas horas e ela dizia que logo estaria também com a filhinha dela, que tinha certeza que era uma menina. Luiz foi me buscar e Benzica pediu para eu fazer uma lista com nomes de menina e escolheu Nilze.

Quando nasceu o nenenzinho, recebemos um telegrama participando o nascimento da Nilze e ficamos todos contentes. Mas em seguida chegou outro dizendo que Benzica estava desenganada. Fiquei desesperada e fui para Getulina com mamãe e papai, o Luiz foi depois com tia Nhazinha. Ao chegarmos já a encontramos muito mal, tinha momentos que ficava consciente e outros ficava inconsciente. Pedia ao médico para curá-la, não podia deixar os filhos, precisava viver para criá-los.

Depois pediu ao Lulu que levasse os filhos para ela ver e assim foi feito, beijou um por um, os seis filhinhos (Licinha, Irene, Adelino, Antoninho, Lourdinha e Nilze).

Chamou papai (Adelino Mendes) e mamãe (Francisca Mendes) e pediu a eles que ela queria que eles criassem a Nilze, mamãe disse que ela ainda ia viver muitos anos mas se assim não fosse eles criariam a menina como se fosse deles.

Minha querida irmã morreu com 27 anos, na flor da idade. O médico que a assistiu chorou muito por não poder salvá-la.

Foi uma tristeza muito grande para nós todos. Tenho até hoje viva na memória esses acontecimentos tão tristes.

Nenê (Francisca Mendes Scortecci, casada com Luiz Scortecci) – São Paulo 30/07/98.

CONTACT US

We're not around right now. But you can send us an email and we'll get back to you, asap.

Enviando

©2018 Todos os Direitos reservados: Melges | Perito Walmir Melges | Desenvolvido por Hi Brand & Mkt - Marketing Digital

DMCA.com Protection Status
ou

Fazer login com suas credenciais

Esqueceu sua senha?